sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Aleppo

Como desabafo de mãe, mulher, cidadã e acima de tudo ser humano.

Como pode haver natal com tantas crianças, mulheres e homens a sofrer e a morrer por uma guerra que não é deles?!?

O meu coração dói quando passam fotografias do terror de Aleppo.
Tantos seres humanos a sofrerem por um ódio que não é seu.

Este natal desejaria, que pelo menos durante algumas horas, fosse possível viver a PAZ que estes seres humanos tanto sonham.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Dia NÃO

Nada como lavar a roupinha suja de 5 pessoas para ajudar a passar um dia NÃO!

Se podia fazer outra coisa?? Até podia mas ficava sem roupa para usar ...

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Um, dois, três...

Foi a conta que Deus fez...

Hoje a manhã foi dolorosa não só para os meus filhos como para mim também.

Quem é a mãe, ou pai, que não fecha os olhos na hora em que miúdos estão a ser picados por uma agulha que parece medir 1mt?!?! Imaginem a triplicar!
Ninguém escapou...

Agora resta-me esperar que não façam reacção 😬

Estou a cruzar os dedos!

❤ mom

sábado, 5 de novembro de 2016

Manos

Um amor que cresce à 13 meses.
Não vivem um sem o outro, com muitas brincadeiras e birras à mistura.
Quando um chora o outro chora também 😅

Um ❤ sem igual.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Início de aulas

O início do ano letivo nunca é fácil para ninguém.
O stress, o desapego, o choro...enfim um 100 número de coisas e loisas que me faz andar ansiosa.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

terça-feira, 19 de abril de 2016

O meu filho só adormece ao colo e qual é o problema?


Ontem, em conversa com a auxuliar da sala do Martim ela falou-me que se notava que ele estava habituado a adormecer ao colo.

Eu pergunto: E qual é o problema?

Para os que tem duvidas se é o correto ou não devem ler o seguinte link!


http://observador.pt/2016/03/18/bebe-so-adormece-ao-colo-entao/





 
E sabe tão bemmm!

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Carta de um bébe para a mãe!


Querida mamã,

Sei que este momento é doloroso. Vamos nos separar um pouquinho.
 Sei que vais chorar. E eu vou chorar também. Mas sei que precisas trabalhar para me sustentar. Ou, então, para ser feliz na profissão que escolhes-te. Por isso, não te culpes, mamã. Sei que é para o meu bem.
Quando me deixares na creche ou com alguma pessoa de confiança, irás sofrer. Sentirás que está faltando um pedaço de ti.
Acharás que ninguém vai cuidar de mim como tu cuidas. É claro que te prefiro, afinal, és a minha mãe. Mas preciso também aprender a ser independente, conhecer outros lugares e outras pessoas.
 Podes achar que eu não me vou adaptar, mas vou te surpreender. Mesmo sendo difícil no início, vou aos poucos me acostumando com a nova rotina. Posso até chorar na hora em que me deixares, mas, quando virares as costas, vou me distrair com outras coisas. Vou evoluir e passar por novas experiências. Vou ficar mais esperto e maduro.
Por isso, mamã, não sofras. Todas as mamãs que trabalham passam por esta separação, de uma maneira ou de outra. Lá na frente, vou entender que tudo o que fezes será para me dar o melhor.
Vou me orgulhar de ti. E vou querer fazer igual com meu filho, seu netinho.
Todos os dias ficaremos afastados por algumas horas. Mas vamos nos reencontrar e matar as saudades. Voltarei feliz para o teu colo. Esse vai ser o melhor momento do nosso dia, que irás guardar no coração para o resto da tua vida.

Te amo, mamã!